Esclarecimento sobre o funeral do dia 6 de julho de 2020

Ao tomar conhecimento da publicação do Sr. Nuno Damas no grupo “Movimento de Utentes de Santo André”, na rede social Facebook – e atendendo à gravidade daquilo que é exposto – a Junta de Freguesia de Santo André vem por esta via repor a verdade dos factos e prestar os seguintes esclarecimentos:

  • É falso que o coveiro do nosso quadro de pessoal se encontre de baixa “desde o passado dia 24”, mas sim desde o dia 1 de julho;
  • É falso que tenhamos recorrido ao coveiro “de Santiago” nem a qualquer outro, até porque este foi o primeiro funeral que ocorreu pós-baixa do funcionário do cemitério;
  • A Agência Funerária encarregue dos serviços fúnebres foi avisada, aquando do contacto com a Junta da parte da manhã, para não avançar com a marcação de hora para o funeral, atendendo às dificuldades que a JFSA estava a ter em encontrar um coveiro que pudesse efetuar o serviço, sendo portanto conhecedora da situação logo desde bem cedo e tendo ficado com a indicação para aguardar o nosso contacto com informações já mais detalhadas;
  • Contudo, a Agência Funerária avançou na mesma com a marcação do funeral para as 15h00, desrespeitando as indicações da Junta e colocando todos os intervenientes numa situação extremamente delicada;
  • Importa referir que a responsabilidade de marcação dos funerais é da Junta de Freguesia de Santo André e não de qualquer agência funerária;
  • A Junta fez diligências, ao longo de todo o dia, para conseguir encontrar um coveiro que pudesse dar resposta a esta situação emergente, tendo sido contactadas a União de Freguesias de Santiago do Cacém, Santa Cruz e São Bartolomeu da Serra, Junta de Freguesia de Ermidas-Sado, Junta de Freguesia de Melides, União de Freguesias de São Domingos e Vale de Água, Junta de Freguesia de Abela e Câmara Municipal de Sines;
  • O filho da pessoa falecida esteve na Junta de Freguesia de Santo André da parte da tarde, por volta das 15h30, no sentido de perceber se haveria ainda hipóteses do funeral se realizar ainda no dia 6 de julho, atendendo a todos os naturais constrangimentos que a situação acarretava, tendo mantido uma notável elevação, educação e respeito, sem nunca “levantar a voz” como é descrito na publicação do Sr. Nuno Damas, que confere um tom incendiário a uma situação que decorreu com toda a normalidade;
  • O familiar foi informado de que tudo seria feito para que o funeral fosse uma realidade no dia 6 de julho;
  • A Junta acabou por finalmente conseguir, junto da Câmara Municipal de Sines, que a mesma disponibilizasse o seu coveiro;
  • Contudo, a logística de horários e transportes iria atrasar ainda mais o funeral e a Junta decidiu aceitar a proposta da Agência Funerária, que acabou por efetuar o trabalho com os seus próprios funcionários, facto que sublinhamos e agradecemos;
  • A Junta continua, nesta fase, a trabalhar numa situação que assegure estabilidade para qualquer ocorrência que se verifique enquanto o funcionário do cemitério estiver de baixa.
  • A Agência Funerária, em contacto com o Presidente da JFSA, já lamentou o sucedido e ficou tudo esclarecido entre as partes no próprio dia;
  • A Junta lamenta profundamente que se tenha feito uma publicação numa rede social sobre um assunto de tamanha sensibilidade, que ainda para mais não corresponde à verdade dos factos, que deturpa os acontecimentos, que põe em causa o bom nome dos funcionários da autarquia e dos seus responsáveis e que é lesiva para a boa imagem da Junta de Freguesia de Santo André, reservando-se a autarquia no direito de recorrer aos meios legais ao seu dispor para repor os danos causados.

 

O Executivo da Junta de Freguesia de Santo André
07/07/2020

Partilhe
简体中文NederlandsEnglishFrançaisDeutschItalianoPortuguêsРусскийEspañol