Santiago do Cacém – Litoral Alentejano – Portugal

Património Natural

 

A Lagoa de Santo André constitui um ponto estratégico para a estadia, passagem e nidificação de muitas espécies de aves migratórias. Foi declarada pelo Estado Português  como Reserva Natural das Lagoas de Santo André e da Sancha pelo Decreto Regulamentar 10/2000 de 22 de agosto.

Esta zona costeira caracteriza-se pelos ecossistemas aquáticos e ribeirinhos influenciados, pelas águas doces e salobras, incluindo pequenas áreas de sapal, salgueirais, caniçais, juncais, urzais palustres e pastagens húmidas.

Previous Image
Next Image

A classificação como Área Protegida teve como principal objetivo a conservação do elevado valor ecológico destas duas zonas húmidas e das suas áreas envolventes, nomeadamente enquanto áreas importantes para a reprodução, invernada e migração de aves, existindo em plena Reserva um centro de observação e anilhagem de aves.

Visa também a proteção do complexo dunar envolvente e da faixa marítima adjacente que alberga uma fauna marinha característica.

A flora e vegetação da Reserva constituem alguns dos seus elementos mais importantes em termos de valores naturais, estando inventariadas 510 espécies de plantas vasculares distribuídas por 79 famílias.

A vegetação é essencialmente formada por espécies tolerantes ao prolongado período de inundação e salinidade. Esta relaciona-se com a abertura da Lagoa de Santo André ao mar.

São particularmente importantes as formações e espécies que se instalam no cordão dunar, normalmente dominada pelo Estorno   e a espécie prioritária a linária Os matos e charnecas que povoam as dunas incluem os zimbrais de Sabina-das-praias e os matos de Camarinha. As dunas interiores são ocupadas por formações arbustivas densas incluindo os zimbrais de, os urzais de Tojo e os matos de Marcetão.

As espécies de flora endémica mais valorizadas é o Tomilho-vulgar, Tomilho-carnudo e a Herinaria dizem respeito a endemismos lusitânicos ou quase, cuja abundância na Reserva se reveste de alto valor precisamente por constituírem populações vastas e bem preservadas.

A praia da Fonte do Cortiço, também conhecida por Areias Brancas, encontra-se integralmente inserida na Reserva Natural das Lagoas de Santo André e da Sancha, pelo que associa importantes ecossistemas costeiros e merece particular destaque pelas suas características naturais. O seu extenso areal é rodeado por uma grande área dunar e de pinhal, que a torna característica da região, e emblemática, pela qualidade da sua paisagem e das suas águas. É uma praia retilínea, é revestida por areias muito claras e finas.

A Praia do Porto das Carretas, também apelidada de Praia do Monte Velho e muito conhecida como Praia da Vacaria (ambas designações não oficiais), situa-se entre as praias da Costa de Santo André e da Fonte do Cortiço. É uma praia recatada, sem vigilância e ainda em estado natural. Faz também parte da zona protegida das Lagoas de Santo André e da Sancha e as suas características naturais assemelham-se à praia da Fonte do Cortiço. Dali partem vários percursos pedonais pelas dunas, que levam a locais de interesse natural e ecológico. O areal é extenso e acessível através de um longo e já carismático passadiço de madeira, que atravessa as dunas.

Tanto a  praia da Costa de Santo André como a Fonte do Cortiço têm sido galardoadas com Bandeira Azul, Praia Acessível e Bandeira Dourada. A praia do Porto das Carretas foi classificada como Praia Dourada em 1998, distinção várias vezes repetida ao longo dos anos. As três praias registam uma grande afluência de veraneantes, essencialmente nos meses de julho e agosto. Durante a época balnear, a temperatura média da água nas praias de Santo André oscila entre os 16ºC e os 19ºC.

 

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someone
Informações Úteis
Siga-nos no Facebook
O Tempo em Santo André
Destaques
Farmácias de Serviço no Conselho de Santiago do Cacém